segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

Superação, reconhecimento e árduo trabalho

O delegado Carlos Augusto Nogueira entrega prêmio a Joyce Pimentel
Após muita luta e árduo trabalho, eis que um dia chega o reconhecimento. Tudo bem que para alguns o reconhecimento de um trabalho não signifique nada, ou melhor, seja visto como "hum...grandes coisas!".
Despeito ou inveja? Não importa! O que interessa é que, no último dia 3 de dezembro de 2009, recebi o Troféu AIB de Imprensa 2009; que em sua quinta edição premiou os melhores da imprensa de 2009.

Joyce Pimentel ao lado da lista dos vencedores




Concorrer com grandes nomes e grandes veículos certamente deu o tom da disputa, mas levar na categoria mídia impressa como o "melhor trabalho jornalístico na mídia impressa em 2009" pelo jornal POVO do Rio - pasmem, mas o Povo bateu O Globo, JB, O Dia... - com uma matéria de polícia publicada no mês de maio deste ano significa mais do que uma vitória. Trata-se da matéria titulada: "E a bandidagem já sente o sacode". Queiram ou não, gostem ou não, quem levou o prêmio fui eu e de quebra o título de melhor jornalista de 2009 na categoria mídia impressa.
Valeu a todos, e mais ainda a um certo delegado que sempre acreditou em mim e que me deu informações preciosas e que se tornou um grande amigo. Esse prêmio divido com você: Jesus me abana! (rs! - só quem sabe é que vai rir - rs!). Também dedico esse prêmio a uma pessoa que não está mais entre nós: Reis Junior (apenas uma palavra: OBRIGADO!).


Os vencedores da 5ª edição do Troféu AIB de Imprensa 2009

Veja abaixo os premiados:

TV e Internet
Melhor Programa de Variedade – TV AbertaHoje em Dia – TV Record
Melhor Apresentador de Telejornal – TV Aberta Ana Luiza Guimarães - Bom dia Rio - TV Globo
Melhor Telejornal Regional – TV AbertaRJ Record - TV Record Rio
Melhor Canal de Notícias – TV a Cabo Globo News
Melhor Programa de Reportagem – TV aberta Repórter Record - TV Record
Melhor Programa de Entretenimento – TV aberta Caldeirão do Huck - TV Globo
Melhor Portal de NotíciasTerra on-line
Destaque EspecialBrasil Urgente– TV BAND

Veículos AssociadosMelhor Projeto Gráfico - Condomínios em FocoMelhor Contéudo Jornalistico - Jornal Caminho das Vargens, Barra e RecreioMelhor Colunista - Katia Lancelloti

Mídia Impressa
Melhor reportagem - E a bandidagem sente o sacode Joyce Pimentel (O Povo)Melhor fotografia - Marcelo Piu (O Globo)

ps - aqueles que quiserem saber um pouco mais, fiquem a vontade: http://www.aib.org.br/?acao=noticias&noticias=5452

domingo, 29 de março de 2009

E aí, sabe quanto você está valendo?

Medida Provisória cria tabela de porcentagem para pagamento de seguro Dpvat. Um dedo da mão vale apenas R$ 130

Joyce Pimentel*

Em uma cidade onde o trânsito é considerado caótico e as estatísticas de acidentes vêm crescendo constantemente não é de se estranhar que as vítimas recorreram ao seguro Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Via Terrestre (Dpvat). Após campanhas veiculadas na mídia o brasileiro aprendeu a solicitar seus direitos. No caso do Dpvat, vítimas de acidentes causados por veículos que têm motor próprio (automotores) e circulam por terra ou por asfalto (vias terrestres) podem recorrer a Justiça para receber o seguro no valor de R$ 13.500.
No entanto, ainda restam dúvidas sobre como requerer esse seguro, que é obrigatório após a criação da lei 6.194/74. Por lei, o seguro Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Via Terrestre oferece três tipos de cobertura: morte, invalidez permanente total ou parcial e despesas de assistência médica e suplementares.
De acordo com Dhiego Berg, membro do escritório J Haroldo Advogados, a obrigatoriedade do pagamento garante às vítimas de acidentes com veículos o recebimento de indenizações.
— É direito do cidadão. Este seguro serve para amparar qualquer vítima envolvida em acidente de trânsito independente de ter culpa ou não — revelou Berg, acrescentando que a própria vítima pode solicitar o pedido junto a uma das seguradoras cadastradas.
No entanto, Dhiego acrescenta que em caso de morte, os herdeiros têm direito de pedir o requerimento. Mas há restrições para o recebimento do seguro.
— Em hipótese alguma o Dpvat cobre danos materiais como roubo, colisão ou incêndio de veículos. Assim como acidentes ocorridos fora do território nacional; multas e fianças impostas ao condutor ou proprietário do veículo e quaisquer despesas decorrentes de ações ou processos criminais. Danos pessoais resultantes de radiações ionizantes ou contaminações por radioatividade de qualquer tipo de combustível nuclear, ou de qualquer resíduo de combustão de matéria nuclear também não entram no Dpvat — alertou o membro do escritório J Haroldo Advogados.

Falta de informação

Apesar da existência do benefício há 35 anos muitos não sabem como funciona a retirada do Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Via Terrestre. É o caso do aposentado João Reis Junior, de 57 anos, que dirige há quase 40 anos.
— Sempre soube da existência do Dpvat, mas não tenho a mínima ideia como funciona — revelou.
Na opinião de João Junior o governo deveria realizar campanhas informativas.
— É preciso levar informação para que a população possa brigar pelos seus direitos. Nem todo mundo tem acesso a um advogado — avaliou.
Vale a pena lembrar que, o cidadão que solicitar o pagamento do Dpvat deverá estar ciente que receberá o valor em cheque nominal aos beneficiários. O pagamento também poderá ser realizado através de depósito ou transferência eletrônica de dados para a conta corrente ou conta poupança do beneficiário, observada a legislação do sistema de pagamentos brasileiro.

Para população tabela significa desvalorização da vida

Tudo parece tão fácil e seguro para o cidadão. Mas o que muitos não sabem é que a Medida Provisória nº 451, de 2008, fixa porcentagem de valores para cada tipo de acidente. Por exemplo, se uma pessoa em um acidente de carro tem a perda anatômica e/ou funcional completa de qualquer um dos dedos do pé ou da mão vai receber apenas 10% do valor do seguro. Em alguns casos, o percentual da perda varia entre 100, 70, 50, 25 ou 10 sobre R$ 13.500. Assim já está em vigor a tabela com percentual de acordo com a lesão ocorrida nas partes do corpo humano no caso de acidente.
— A perda de um baço ou de um dedo da mão só vale R$ 1.350 — disse Berg.
Mais uma vez a decisão do governo surpreendeu a população nas ruas. Foi o caso de Miguel Antonio Gomez Heichard, 54, que ao ser informado da criação da tabela pelo governo, classificou a mesma de injusta.
— Se paga muito pouco para uma situação de tragédia, pois em alguns casos os acidentes são trágicos e deixam sequelas irreversíveis. Enfim, vejo que não há valorização da vida do sujeito — desabafou.
Na opinião de Heichard, o indivíduo precisa de dinheiro para poder realizar os tratamentos necessários.
— Os gastos com fisioterapia, remédios e até em caso de cirurgia são exorbitantes. E se a pessoa perde um dedo vai receber R$ 1.350, isso não paga nem uma sessão de fisioterapia — reclamou.
Querendo ou não o que vale é a regra e a tabela. Diante de tais fatos pode-se concluir que a vida humana está cada vez mais desvalorizada.

Como requerer o seguro Dpvat

Para requerer o benefício se faz necessário a apresentação dos seguintes documentos. Em caso de indenização por morte: certidão de óbito; registro de ocorrência expedido pela autoridade policial competente e prova da qualidade de beneficiário.
Já na indenização por invalidez permanente é preciso o laudo do IML da circunscrição do acidente, qualificando a extensão das lesões físicas ou psíquicas da vítima atestando o estado de invalidez permanente, de acordo com os percentuais da Tabela das Condições Gerais de Seguro de Acidentes Pessoais (anexo 1), suplementadas, quando for o caso, pela Tabela de Acidentes do Trabalho e da Classificação Internacional de Doenças; registro de ocorrência expedido pela delegacia do local do acidente.
E por fim, na indenização de Despesas de Assistência Médica e Suplementares (Dams) é preciso prova das despesas médicas efetuadas; prova de que as despesas referidas na alínea “a” decorrem de atendimento à vítima de danos pessoais decorrentes de acidente envolvendo veículo automotor de via terrestre; registro de ocorrência expedido pela autoridade policial competente, da qual deverá constar, obrigatoriamente, o nome do hospital, ambulatório, ou médico assistente que tiver prestado o primeiro atendimento à vítima.
Se a documentação estiver completa o seguro é pago em 30 dias.

* editora jornal Povo do Rio
Matéria publicada em 29/03/2009

quinta-feira, 26 de março de 2009

Lançamento oficial site AIB em tempo real














A equipe AIB de jornalismo unida no lançamento de seu novo site

Por Joyce Pimentel*

Dando continuidade aos dez anos de existência da Associação de Imprensa da Barra da Tijuca (AIB) foi lançado oficialmente, hoje (24/03), o novo site da instituição. Na ocasião, líderes comunitários e diversas associações estiveram presentes no auditório da sede da AIB para conhecer as novidades do site que ganhou um conteúdo mais dinâmico e em tempo real.De acordo como presidente da AIB, Manuel Lopes Curval, todas as associações podem participar do site através de um link criado exclusivamente para postar as informações necessárias.— A AIB se transformou em uma agência de notícia e em especial no que diz respeito a todos os assuntos de extrema relevância para a região da Barra da Tijuca e da AP-4 como um todo — avaliou.A editora-chefe da Associação de Imprensa da Barra da Tijuca, Tatiana Couto, que realizou a apresentação do novo site acrescentou que além da região há destaques também para as notícias nas editorias Rio de Janeiro, Brasil e Mundo.— Através de uma reunião de pauta diária decidimos o que será publicado no site e as matérias entram em tempo real no site. Aliás, o sistema não tem como mentir, já que aparecem a data e o horário de tudo o que é publicado no site — explicou.A nova fase da AIB se deve a um trabalho realizado em parceria com a Pubblicità Comunicação e Design, onde a diretora executiva da AIB, Daniela Andrade, redefiniu o projeto visual da Associação, juntamente com o presidente Manuel Lopes.— O processo de reestruturação da AIB não vai parar, pois estamos pensando sempre no melhor — adiantou Daniela.Aproveitando a ocasião, foi anunciado a todos a contratação do jornalista Eduardo Tavares como repórter especial da AIB, com objetivo de reforçar a equipe e dar mais dinamismo ao trabalho desenvolvido.Para o presidente do 31º Conselho Comunitário de Segurança (31º CCS), Castrinho, o novo portal vem de encontro com a participação da comunidade nos assuntos que dizem respeito a região da AP-4.— A Barra é uma das regiões mais atuantes quando se fala de cobrança da comunidade. O novo site oferece a população uma nova opção de denuncia e participação. Como as notícias são postadas em tempo real temos mais chances de saber o que acontece na hora e se for o caso correr para o local dos acontecimentos — avaliou.O novo site também proporciona que os interessados enviem sugestões de pauta, denúncias e releases. Nesse caso, a equipe de jornalistas vai avaliar as informações antes de publicar a matéria. Os interessados podem acessar http://www.aib.org.br/.

* Repórter especial AIB – redacao@aib.org.br
Foto: Denise Machado/ AIB

sexta-feira, 20 de março de 2009

Você vive sua liberdade de expressão?


Em uma sociedade onde os valores, aos poucos, são esquecidos e o que se impera é a lei do cada um cuida de si, talvez a liberdade de expressão se encaixe nesse contexto. Afinal nem sempre podemos falar tudo o que pensamos, seja no trabalho, no meio familiar ou em qualquer rumo da vida. A famosa frase "o silêncio vale mais do que mil palavras" é parte clara da falta de liberdade de expressão.
Jornalistas, como eu, deveriam ter sua liberdade de expressão, mas não têm. Querendo ou não o jornal é uma empresa onde manda quem pode e obedece quem tem juízo. E a frustração de não se poder publicar uma matéria onde muitas vezes concorreria ao Prêmio Esso de Jornalismo? Não há sensação pior do que tal (experiência própria)!
Então aqui é o local onde mando eu, escrevo eu e publico o que eu quero. Aqui me expresso sem que ninguém me cobre ou me critique por tais atitudes. Lógico que o espaço é aberto as críticas. Pois são nas críticas que nos aperfeiçoamos. Então aqui eu vivo intensamente a minha liberdade de expressão! E você vive a sua?
Foto: Divulgação